Dear reader,
You may have noticed that we’ve changed domains from Minestories to Solid Ground online, a name that more inclusively reflects our broad range of solutions for the mining and rock excavation industries. Rest assured, you’ll still be able to read and watch the ground-breaking content you’ve come to expect. Thanks for visiting.

<p>Na mina Kidd, da Glencore, três quilômetros abaixo da superfície, cientistas descobriram água de aproximadamente 2 bilhões de anos.</p>
Mostrar legendaOcultar legenda

Na mina Kidd, da Glencore, três quilômetros abaixo da superfície, cientistas descobriram água de aproximadamente 2 bilhões de anos.

Água de dois bilhões de anos descoberta na mina da Glencore

ientistas canadenses descobriram uma piscina de água pré-histórica na mina de metais mais profunda do mundo, a Kidd da Glencore, no Canadá. Estima-se que a água, encontrada a cerca de 3 km de profundidade, tenha 2 bilhões de anos. De acordo com a geoquímica Barbara Sherwood-Lollar da Universidade de Toronto, há uma quantidade significativa.

“Quando as pessoas vêem essa água, elas assumem que deve ser uma pequena quantidade presa na rocha”, conta Sherwood-Lollar. “Mas, na verdade, é um grande volume. Está fluindo a taxas de litros por minuto – o volume da água é muito maior do que qualquer um imaginou.”

Ao analisar os gases dissolvidos na água subterrânea, os pesquisadores puderam afirmar que ela tem pelo menos 2 bilhões de anos, mas é o teor de sulfato que está gerando ainda mais interesse. O sulfato foi produzido no local, não levado ao subterrâneo pelas águas superficiais, o que significa que essas piscinas poderiam sustentar a vida microbiana – expandindo áreas potencialmente habitáveis ​​no planeta, uma vez que as rochas de bilhões de anos constituem cerca de metade da crosta terrestre.