Dear reader,
You may have noticed that we’ve changed domains from Minestories to Solid Ground online, a name that more inclusively reflects our broad range of solutions for the mining and rock excavation industries. Rest assured, you’ll still be able to read and watch the ground-breaking content you’ve come to expect. Thanks for visiting.

O melhor campo de testes

ANTOFAGASTA, CHILE. A digitalização está melhorando a manutenção preditiva e permitindo decisões mais bem informadas e baseadas em fatos no circuito de processamento de sulfeto recentemente modernizado da mina Mantos Blancos da Mantos Copper.

Se um britador pode processar o minério na Mantos Blancos, ele pode processar o minério em qualquer lugar.

Esse é um sentimento comum em todo o setor de mineração chileno. A rocha é tão dura e abrasiva em Mantos Blancos que muitas minas a veem como o melhor campo de testes possível.

“Os fornecedores querem testar seus produtos e as minas chilenas já perguntam se as máquinas foram testadas na Mantos Blancos, porque se elas funcionam aqui, elas funcionam em todos os lugares”, explica Pablo Carrasco, superintendente das minas Mantos Blancos e Mantoverde da empresa.

A 800 metros acima do nível do mar, no deserto do Atacama – um dos lugares mais áridos do planeta –, a Mantos Blancos produz cerca de 50.000 toneladas de cobre fino a cada ano. A mina opera um circuito de óxido para lixiviação e um circuito de sulfeto para flotação. Ao aumentar a capacidade de processamento de sua planta de sulfeto, a Mantos Blancos planeja manter os atuais níveis de produção até 2035.

O circuito de sulfetos consiste em um britador primário, um britador secundário e três britadores terciários em um circuito fechado, para a produção de um produto aproximadamente 98% menor que 6,4 mm para abastecer os moinhos de bolas.

“A linha terciária é a espinha dorsal da planta de sulfeto”, conta Carrasco. “Se essa linha não operar continuamente, não teremos produção nas próximas etapas.”

A Mantos Blancos encomendou seu primeiro britador Sandvik em 2001, um Sandvik CH660 que substituiu um modelo concorrente desatualizado. Três anos depois, a mina substituiu outro britador concorrente obsoleto, optando pelo Sandvik CH870 de maior capacidade – o primeiro desse modelo instalado no mundo.

Mina Mantos Blancos

A Mantos Blancos está localizada a 45 km da capital regional Antofagasta, no Norte do Chile. Situada a uma altitude de 800 metros, no árido deserto do Atacama, a operação a céu aberto produz cerca de 50.000 toneladas de cobre fino a cada ano.

O primeiro Sandvik CH870 da mina foi um sucesso tão grande que a Mantos Blancos instalou outro em 2006 para substituir o Sandvik CH660 menor e aumentar a capacidade do circuito. Em 2008, a mina havia trocado os três equipamentos terciários pelo Sandvik CH870.

“A vantagem competitiva que os britadores Sandvik têm, algo que o resto do mercado não oferece, é que, mesmo com os equipamentos trabalhando com potência máxima, eles não apresentam problemas”, afirma o diretor de Manutenção da Planta, Luis Guerrero.

Nos últimos anos, a Mantos Copper se interessou cada vez mais pela digitalização, pela Internet Industrial das Coisas e pelos benefícios potenciais de eficiência e produtividade que os dados conectados podem possibilitar em uma operação de mineração em massa.

Quando surgiu uma oportunidade de implementar a conectividade na importante linha de britagem terciária de sulfeto, a Mantos Blancos a aproveitou.

Após uma década de operação confiável e produtiva, a mina atualizou seu Sandvik CH870 mais novo para um Sandvik CH870i. A Mantos Blancos aproveitou a solução Reborn da Sandvik, uma opção mais econômica do que uma nova instalação, uma vez que a infraestrutura e os auxiliares do Sandvik CH870 poderiam ser reutilizados. O Sandvik CH870i Reborn, apoiado por uma garantia estendida de três anos, ficou online em apenas dois dias.

“A solução Reborn nos permitiu manter muitos componentes do equipamento atual que ainda são perfeitamente úteis”, conta Carrasco. “A garantia estendida, que inclui inspeções periódicas das condições, realmente nos deixa tranquilos.”

<p>Pablo Carrasco, superintendente de Compras da Mantos Copper.</p>

Pablo Carrasco, superintendente de Compras da Mantos Copper.

<p>A Mantos Blancos produz cerca de 50.000 toneladas de cobre fino a cada ano.</p>

A Mantos Blancos produz cerca de 50.000 toneladas de cobre fino a cada ano.

Comissionado em junho de 2018, o Sandvik CH870i apresenta melhorias mecânicas, como um eixo principal 65% mais robusto que o do seu antecessor, carcaças superior e inferior significativamente melhoradas e um melhor sistema de sobrepressão para ainda mais a confiabilidade. Contudo, os maiores benefícios para o Mantos Blancos foram digitais.

A mina conectou seu novo Sandvik CH870i através do portal do cliente My Sandvik, que permite à Mantos Blancos tomar decisões baseadas nos dados coletados 24 horas por dia.

“O My Sandvik disponibiliza informações cruciais para a equipe de Manutenção e os operadores, facilitando a tomada de decisões”, destaca Carrasco.

A conectividade ajudou a Mantos Blancos a identificar gargalos, localizar problemas e melhorar a manutenção preditiva.

“Isso garante que estejamos falando a mesma língua”, diz Guerrero. “Quando falamos sobre exigir potência de uma máquina, altas temperaturas em uma máquina, um material não britável que foi detectado a tempo ou a válvula de descarga elétrica que entrou em ação, evitando danos colaterais, tudo pode ser esclarecido, verificado e analisado com as informações online. Também temos alertas precoces de temperatura e vibração. Tudo isso facilita a continuidade. Os avisos antecipados ajudam a detectar falhas ou controles que devem ser executados para evitar determinadas falhas. Uma bucha foi danificada devido a material não britável ou por outro motivo? Se não houver evidências físicas, só podemos saber isso por meio de dados.”

Ter dados sobre o nosso sistema nos permite tomar decisões a partir da planta, do escritório ou de casa

O My Sandvik ajudou a Mantos Blancos a melhorar a transparência, tornando os dados operacionais disponíveis online em toda a organização.

“Ter dados sobre nosso sistema nos permite tomar decisões a partir da planta, do escritório ou de casa”, afirma Carrasco. “De qualquer lugar. E ter informações importantes online, disponíveis a qualquer momento, facilita a tomada de decisões.

Através da digitalização, agora podemos entender melhor as falhas e aprender com elas. Precisamos tirar proveito de todas essas informações para prever determinadas situações e realizar melhores análises. Esse é o benefício real de ter informações disponíveis.”

Para os colegas de Carrasco na planta de sulfeto, é essencial operar os britadores terciários com uma potência base mínima para alcançar o produto desejado.

“Os equipamentos devem operar de acordo com os valores nominais definidos, nem mais nem menos, sempre no ponto ideal que utiliza todo o potencial da máquina dentro da faixa de segurança definida para a operação”, ressalta Guerrero. “A digitalização pode nos ajudar a fazer isso.”

O My Sandvik também fornece à mina acesso aos manuais do britador e uma plataforma de e-commerce para encomendar peças de desgaste e de reposição, incluindo uma função de rastreamento que simplifica o planejamento da manutenção.

“É ótimo ter informações online sobre nossas necessidades de peças e componentes através do My Sandvik”, diz Guerrero. “Podemos verificar e registrar imediatamente nossas necessidades de substituição. Ter uma plataforma de e-commerce facilita e agiliza a obtenção de peças de reposição. Todas as tarefas logísticas são simplificadas. E o tempo de resposta melhora.”

Carrasco diz que na Mantos Blancos todos ficam tranquilos ao usar as peças de reposição genuínas da Sandvik encomendadas através do My Sandvik.

“Sabemos que existem peças de reposição alternativas no mercado, mas não há comparação entre a confiabilidade dessas e a confiabilidade do fabricante original”, diz. “O que precisamos é garantir a continuidade das operações e melhorar a produtividade.”

A Sandvik ajudou a Mantos Blancos a garantir a continuidade da planta de processamento por quase duas décadas. Em uma mina em que o material abrasivo cria desgaste prematuro e drástico nos revestimentos e em outras peças, a Sandvik aprimora e otimiza continuamente suas soluções de câmara de britagem para prolongar a vida útil, sem sacrificar a distribuição do tamanho do produto.

“A Sandvik se adaptou às necessidades da nossa planta ao longo dos anos. Ela entendeu as diferentes necessidades que a Mantos Copper tem, principalmente por causa da tenacidade mineral única”, destaca Guerrero.

A mina costumava trocar o revestimento quase semanalmente, mas a Sandvik trabalhou com a Mantos Blancos para estender os ciclos de utilização para 21 dias.

Mantos Copper

A Mantos Copper é proprietária e opera as minas de Mantos Blancos e Mantoverde, no norte do Chile, que juntas produzem aproximadamente 100.000 toneladas de cobre anualmente.

“As melhorias que a Sandvik fez ajudaram, em primeiro lugar, a partir de uma perspectiva de custo, porque o revestimento se desgasta menos”, conta Carrasco. “Há menos interrupções. A planta não tem mais que parar de funcionar para trocar os revestimentos com tanta frequência, o que beneficia a continuidade de ciclos de revestimento mais longos, e isso tem um impacto direto na produção.”

A Mantos Blancos solicitou assistência permanente da Sandvik no local, o que maximizou a potência e a pressão nos britadores e resultou em um produto mais fino. Com um contrato de serviço de consultoria de três anos, a Sandvik fornece peças de reposição e de desgaste e realiza inspeções semanais na planta.

“Decidimos continuar trabalhando lado a lado com a Sandvik por causa do suporte técnico que oferecem”, ressalta Guerrero. “O que obtemos no contrato é a experiência da Sandvik, seu apoio, que é o que procuramos e o que diferencia a de outros fornecedores. A Sandvik é nosso parceiro estratégico. Não queremos apenas o equipamento, queremos também toda a experiência do fornecedor. Com a ajuda da sua experiência e conhecimento, somos capazes de garantir a continuidade.”

O acordo inclui inspeções periódicas, consulta técnica, treinamento e suporte.

“Esse é o valor agregado que faz a diferença. Não seria possível obter isso de um fornecedor não-OEM. Sentimos que a Sandvik realmente nos apoia, e isso torna essa relação bem-sucedida. A Sandvik nos ajudou a atualizar nossos equipamentos e a manter um alto padrão de operação em nossa planta de sulfetos. Os equipamentos da Sandvik trouxeram uma nova vida ao nosso processo de britagem”, conclui Carrasco.